Pryscilink
Arquivos

 

 

 

12.9.08

 

Quero ser a mão do povo desenhando.


"O desenho é uma viagem além de qualquer outra possibilidade. É o seguinte: é mágico! De cara você já é especial porque desenha, faz uma coisa mágica. E esse ato mágico de desenhar, dá uma distância com as pessoas."

Frases do mágico Henfil, que nos deixou há 20 anos. Henfil padeceu de hemofilia, palavra que separada segundo os radicais gregos, soma "amizade" e "sangue", que acabaram por se tornar títulos de muitos capítulos da vida desse herói. Além da militância política, do engajamento, da solidariedade, Henfil encanta também pela leveza existencial que teve. A convivência com a dor constante não era o suficiente para o impedir de fazer humor. A eminência da morte, como que viver com uma espada pendurada por um fio sobre a cabeça, o tornava mais vivaz. Herói que foi, nada mais natural que seja homenageado. No vigésimo ano de sua falta são lançados peça teatral, livros e filme.

Esta semana fui assistir a peça Henfil Já (em cartaz no TUC, Curitiba - companhia Cambutadefedapada). Baseada as cartas que Henfil escrevia para sua mãe quando estava em tratamento nos EUA, a encenação também incorpora o humor refinado e engajado das tiras e charges.

O livro Henfil: o humor subversivo, compilado pelo cartunista Nico, será lançado no dia 17 de setembro na livraria Al-Fárábi (Rua do Rosário, 30/32, Centro - RJ - Tel.: 2233-0879). Charges marcantes de Henfil ilustram o texto, construído a partir de depoimentos colhidos de amigos, políticos e parentes do artista. Além de consultas ao seu acervo, Nico analisou entrevistas concedidas por Henfil à imprensa.

Outro livro, o Urubu, ganhou neste ano um prêmio no HQmix - premiação mais importante da categoria no país. Urubu é, como o autor, um flamenguista doente. No livro, há apenas uma faceta do gênio - charges de futebol publicadas no Jornal dos Sports e na revista Placar. É um recorte, apenas, que não dá a dimensão do todo. Ali, o Henfil político, por exemplo, mais se insinua do que se manifesta verdadeiramente. Pode não ser o Henfil mais brilhante, mas provavelmente o leitor encontrará sua versão mais divertida.

Lançado também o premiadíssimo documentário Três irmãos de sangue, que conta a trajetória dos irmãos Henfil, Chico Mário e Betinho. Este último, fundador da campanha contra a fome no país, foi indicado em 1994 ao Prêmio Nobel da Paz. Chico Mário, compositor de canções contra a tortura e pioneiro da música independente no país. Henfil, é nosso mestre, papa e ídolo da cartunalha, criador da expressão "Diretas Já", dizia "quero ser a mão do povo desenhando".

Henfil morreu no dia 04 de janeiro de 1988 por ter adquirido o vírus da AIDS em transfusões de sangue, assim como seus irmãos Betinho e Chico Mário.

Postado por Pryscila Vieira.
pryvieira@yahoo.com.br

Comments:
Eu daria metade da minha vasta fortuna (um engradado de grapetes) por uma cópia do único filme do Henfil: Tanga! Deu no New York Times. Já usei todos os meus poderes e não achei quem tenha, sequer, uma cópia em VHs que pudesse me enviar pelo correio lesma.
 
hemetério! se eu conseguir, quero metade da sua fortunaaaa!!!
bj
 
Pry, todo flamenguista é são. Doentes são os vascaínos, botafoguenses, corintianos, gremistas…
Bjo
 
Postar um comentário

Links desta introdução:

Criar um link



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?